Justiça Eleitoral aplica multa no ex-prefeito de Ipubi Chico Siqueira após publicação de pesquisa fraudulenta.

Saiu a sentença do Juiz Eleitoral de Ipubi-PE no processo 147.2016.617.0129, considerando fraudulenta, pesquisa veiculada em página do Facebook do ex-prefeito de Ipubi Chico Siqueira (PSB).

 

O Juiz Eleitoral, Dr. Jandercleison Pinheiro Jucá, considerou ilegal a publicação da pesquisa eleitoral, na qual o ex-prefeito estaria com 44% das intenções de voto para a eleição municipal deste ano 2016.

 

Em defesa, Chico Siqueira alegou em juízo que não era candidato e que essa pesquisa foi postada na sua página por um “fake”, e que não tinha conhecimento da citada pesquisa.

 

O juiz não acatou a tese da defesa e aplicou uma multa no valor de R$ 53.205,00 (cinquenta e três mil, duzentos e cinco reais) com prazo estabelecido em 30 dias para o recolhimento da multa, sob pena de adoção das providências para inscrição em dívida ativa da União. Em fase da prática do ilícito eleitoral praticado.

 

Chico Siqueira recorreu da decisão, insistindo na tese de defesa que não publicou a pesquisa.

 

 

Já a representação alegou que a pesquisa foi veiculada sem os requisitos legais, principalmente com a ausência de registro da pesquisa na Justiça Eleitoral, ausência do nome do estatístico responsável pela pesquisa e do seu registro no Conselho Regional Estatística e ausência de todos os demais critérios de validade para uma pesquisa ser considerada tecnicamente correta e de acordo com a legislação eleitoral, conforme prevê a Resolução do TSE nº 23453 para as eleições de 2016.

Fonte:

text=Justi%C3%A7a%20Eleitoral%20aplica%20multa%20no%20ex-prefeito%20de%20Ipubi%20Chico%20Siqueira%20ap%C3%B3s%20publica%C3%A7%C3%A3o%20de%20pesquisa%20fraudulenta.&url=http%3A%2F%2Fwww.portaldoararipe.com%2F2016%2F06%2Fjustica-eleitoral-aplica-multa-no-ex.html&via=SatankMKR

Ipubi em foco

Símbolos do Muncípio de Ipubi -PE

Hino de Ipubi

Mocidade hei avante! Avante!
Na conquista da luz do saber
Ipubi nos confia radiante,
Um futuro de glória erguer.

Sois da Pátria esperança fagueira
Branca nuvem de um róseo porvir
Do futuro levais a bandeira,
Hasteada na frente a sorrir.

Bravos filhos da terra querida
Vê - de história é o nosso fanal
Ela traz em painel esculpido
Toda glória de um povo imortal

Nossos pais nos legaram a fé
O amor ao trabalho honrado
Pelo bem estejamos de pé

 
Bandeira de Ipubi

 

Bandeira de Ipubi

De acordo com a Lei criada em 23 de outubro de 1967, a Bandeira de Ipubi tem as seguintes dimensões: 1,18 mts, (um metro e 18 centimetros) de comprimento por 0,80 mts, ( oitenta centímetros) de altura.

Forma

Constituida de forma retangular Um retângulo branco, outro amarelo e um terceiro com imagens que representam a água com plantas aquáticas ao lado de uma árvore (barauna) que espalha alguns galhos no retaângulo amarelo.

Significado das imagens

A água  e a árvore representam o poço ( atual açude do cacimbão) que mantem-se verde dando Origem ao nome do Povoado Poço Verde e Posteriormente ao nome  da cidade de Ipubi (Lugar úmido na Lingua Tupi), as banquinhas representam a primeira feira que acoteceu debaixo da barauna.

Significado das cores

O branco representa o gesso e a farinha de mandioca, principais fontes de emprego e renda no municipio, o amarelo representa o milho e a banana culturas abundantes em nosso municipio.


Desfile do dia 02/03/2014, aniversário de Ipubi

HISTÓRIA DE IPUBI

 

 

O território do município de Ipubi pertencia a Ouricuri. Posteriormente, foi elevado à categoria de município autônomo e sua sede transformada em cidade.
Administrativamente, o município é formado pelo distrito sede e pelos Distritos de Serra Branca e Serrolândia.                                                                                A A padroeira da cidade é Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.
 

 

Em 1938, agricultores de varias regiões começaram a habitar a Fazenda Poço Verde, nome inspirado num poço que raramente secava, suas águas eram cristalinas, uma parte coberta por plantas aquáticas que exaltava a cor verde das águas. Esses habitantes foram atraídos a esta fazenda, por ela possuir um solo predominantemente argiloso úmido e de bastante fertilidade, isso devido a sua localização no sopé da chapada do Araripe. Com essas boas características logo se construiu um povoado. O Poço abastecia todos os moradores da região, ao lado havia três grandes árvores frondosas, o juazeiro, o tamboril e a baraúna, cujas sombras abrigavam as pessoas que ali passavam em busca do descanso, favorecendo assim a origem do nosso Ipubi.

Em meados de 1938, comboieiros de várias regiões circunvizinhas transitavam por veredas, vilarejos, povoados e cidades, transportando ao lombo de burros com malas de couros os produtos regionais: sal, abacaxis, peixes salgados, farinhas e outros. A sombra das árvores foi o local principal onde se realizou a primeira feira em 1938, criada pela necessidade dos habitantes que pouco a pouco crescia e se estendia nas caatingas do alto sertão pernambucano.

De uma maneira simples e de estilo rústico dos seus habitantes, realizou-se a primeira feira, na ausência de barracas, apenas sobe sombra das árvores, onde foram expostos produtos artesanais e comidas típicas da região. Neste mesmo ano ao som de búzios dos vaqueiros houve uma convocação de voluntários com objetivo de desmatar o terreno para construção da futura vila. Tendo em frente deste movimento os senhores: Joaquim Eugênio Silva, Antonio Tavares e Aureliano Damascena Rodrigues. O terreno foi comprado à senhora Pulcina Maria de Siqueira e Marcelino Correia, logo em seguida foi doado ao patrimônio de Nossa Senhora do Perpetuo do Socorro, Padroeira da cidade, onde sua festa é comemorada na primeira quinzena do mês de agosto.

Demarcação das Terras O Sr. Antonio Tavares da Silva auxiliou na demarcação. Juntamente com o Dr. Inácio Gonçalves Guimarães, fizeram requerimento de demarcação e divisão da Fazenda mencionada, que teve como Juiz de causa o Dr. Ladislau Rego Barros, como agrimensores Jorge Calisto de Alencar e Manoel Alves Parente, que fizeram a demarcação e divisão da Fazenda como ela foi vendida, por quadras, braças e posse.
Terminada a demarcação, foi contado o total de 36.000 tarefas de terras, sendo 12.000 hectares de terras aproveitáveis e cerca de 7.000 à 8.000 não aproveitáveis, porque eram ocupadas pelas cordilheiras das terras e serrotes pedregosos. Finalmente demarcada e dividida a terra, a Fazenda Poço Verde ficou situada da seguinte forma: Ao norte limita-se com a fazenda Serra Branca, ao Oeste com a Fazenda Espírito Santo, ao Sul com a Fazenda Boa Esperança e Manuino e ao Leste com a Fazenda Queimadas, fazendo assim o perímetro dessa fazenda, salientando que é a Fazenda mais rica do sertão, suas terras todas são produtivas, além do solo bom, há no subsolo a maior reserva de gipsita da América Latina, onde localizadas
as seguintes Mineradoras: Sítio Barbosa – Matarazzo, Sítio Baixas – São Severino, Mário Ferraz, Itapessoca, Calmina, Gesso Serra Branca, Buracão, Escorrego e a São Jorge.

Vendo a valorização das terras depois de serem demarcadas, seus fundadores chegaram a conclusão de criar um povoado. O lugar escolhido foi às margens do cacimbão, onde eram situadas 03 árvores, um Juazeiro, uma Baraúna e um Tamboril. Quando feita a demarcação dessa fazenda, foi deixado um esquadro de 04 tarefas dessa área como servidão pública. Bem próxima das 03 árvores já existia uma casa de taipa onde funcionava uma mercearia que pertencia ao Sr. Felipe Mudo e Camilo Pereira, ali era um lugar ideal para se reunirem muitos vaqueiros, criadores, camboeiros e finalmente os passageiros que trafegavam por aqui. Na sombra das três árvores já citadas, D. Maria Cândida Ramalho, D. Josefa Severo e D. Ana Lourenço, eram industriais que fabricavam os gostosos bolos de milho chamados Chapéu de Couro, Pães-de-ló e tapiocas, também os frangos caipiras, suínos e caprinos, com um cafezinho torrado adoçado com rapadura e pilado no pilão que eram consumidos pelos que ali chegavam. Ainda em julho de 1938, foi marcado um domingo para 1ª Feira, que se realizou com grande entusiasmo daqueles que fizeram parte, direta ou indiretamente desta. Depois de mais ou menos dois meses da 1ª Feira, fomos surpreendidos pela polícia, onde os delegados eram regionais e sempre cumpridores dos comandos de chefes políticos.

O Comandante de Ouricuri, nessa época era o Coronel Anísio Coelho, que autorizou ao Delegado Olímpio Ferraz, acabar com a feira local. Mas felizmente depois de vista a feira, o Delegado surpreendeu-se com a multidão encontrada, e logo desistiu. Com a continuação da feira, os políticos de Ouricuri e Serra Branca foram perdendo o apoio da população, e Poço Verde segui em frente. Naquele tempo não havia casa, os armazéns eram a própria terra, fazia-se montanhas de mamonas, algodão, milho, feijão etc. O açougue era um pequeno jirau de madeira, o teto era formado dos couros bovinos, vendidos ali.

Então seus fundadores, sentindo o prazer e satisfação de seus habitantes e visitantes, convocaram todos os feirantes e discutiram uma forma de melhorar a feira, compraram mais 9 tarefas de terras ao Sr. Marcelino Correia da Silva, onde hoje são situadas a Praça Professor Agamenon
Magalhães e a Igreja Matriz. Esta terra era coberta de mata. Foi marcado o dia da broca do terreno em 13 de outubro de 1938. D. Bernardina Mudo e suas auxiliares fizeram uma grande festa em baixo de um umbuzeiro, onde hoje é localizada a casa do Sr. Osvino Apolinário (falecido).

No espaço de duas horas foram desmatadas as nove tarefas. A madeira feita lenha foi posta fora, os aceiros foram varridos no dia 03 de novembro do mesmo ano. Em seguida foram tirados os esquadros da Praça Professor Agamenon e das ruas adjacentes. Assim começou o povoado de Poço Verde, hoje cidade Ipubi. Cidade esta, segundo seu principal fundador, foi a gloriosa Nossa Senhora do Perpétuo do Socorro, que com a sua proteção cobriu de bênção e graças os habitantes que aqui residiam, e deu-lhes coragem, inteligência e força para lutarem pela sua criação. Esta milagrosa padroeira teve sua imagem comprada no Rio de Janeiro, vinda de Avião até a cidade do Crato-CE.,e seguida para uma fazenda na Serra do Araripe.

Depois de alguns dias numa grande procissão trouxeram para o Sítio Virgínio, onde ficou por algum tempo, até que se concluísse o trabalho de sua Igreja, a qual teve início em Novembro de 1941. A primeira missa foi celebrada na referida Igreja no dia 22 de fevereiro de 1942, pelo Padre Luiz Gonzaga, onde também foi celebrado o casamento do Sr. Antonio Mudo com D. Maria Madalena Mudo.

Devido o seu progresso em 31 de Dezembro de 1943, o povoado foi elevado à categoria de Distrito, sendo então o seu nome mudado de Fazenda Poço Verde para Ipubi, nome indígena que significa “lugar úmido”. A Igreja não dispunha de recursos para ser terminada a sua construção, então o Padre Luiz Gonzaga com demais moradores que segundo registro do Sr. Antonio Mudo, não deixaram de lutar para ver a tão sonhada Ipubi, cidade livre, liberta, diante da falta de recursos para concluir a construção da Igreja local, convidou o Sr. José Cirilo Neto (Zé Milu).

Fizeram uma festa com apresentação dos dois partidos (azul e vermelho) por eles representados, assim travou-se a batalha dos mesmos e no espaço de mais ou menos 4 meses, concluindo-se no dia 24 de junho de 1952, arrecadaram 82 Contos de Réis, que foi o custo da construção da torre da nossa Matriz, que teve como construtor o mestre Luiz. Chegando ao fim da batalha de um povoado já com um pequeno matrimônio. Vale a pena salientar que os legítimos donos do Sítio Poço Verde, eram: D. Pulcina Siqueira de Vasconcelos e seus filhos, Miguel Francisco de Vasconcelos, outros irmãos de Marcelino Correia, a quem foi comprado o 1º patrimônio. O Sítio Poço Verde pertencia a D. Pulcina Siqueira de Vasconcelos, terra esta, que tinha sido comprada pelo seu falecido marido Manoel Davi de Vasconcelos na demarcação e divisão da Fazenda Poço Verde num total de 4.500 tarefas de terra, onde hoje é situada a cidade de Ipubi.

Chegando ao fim da luta para criação do Povoado de Poço Verde, marcharam juntos com nossa padroeira Nossa Senhora do Perpétuo do Socorro para criação do Distrito. Desse período até março de 1962, a cidade de Ipubi pertenceu ao município de Ouricuri. Emancipou-se se tornando então independente em 02 de março de 1962, pela Lei nº 3.340 publicada no dia 31 de Dezembro de 1958, que passou a vigorar quatro anos depois, em 02 de março de 1962.

Gentílico

Ipubiense  

Significado do Nome

 

 

Aniversário da Cidade

02 de Março

 

 

 CARACTERÍSTICAS

Comércio: O comércio local está baseado no varejo. Indústria: Indústria de Minerais não Metálicos Agricultura: A atividade econômica predominante é a agricultura com maior potencialidade de desenvolvimento para a pequena mineração.

Clima 

Tropical semi-árido

Temperatura Média

23º C 

 

 

 COMO CHEGAR

Localização

Sertão, microrregião Araripina.

Limites

Ao norte com o estado do Ceará, ao sul com Ouricuri, a leste com Bodocó e a oeste com Araripina e Trindade.

Acesso Rodoviário

PE-590 e BR-232 (via Salgueiro). 

Distâncias

662 km da Capital.

 TURISMO

Principais Pontos Turísticos

Balneário Cearense e o Mário Leite

Uma boa dica para quem visita Ipubi é um refrescante banho nos balneários da cidade. Principal atração da cidade, localizados no distrito de Serra Branca. Entre outros, estas localidades recebem dezenas de pessoas todos os finais de semana.

Chapada do Araripe

Os mais aventureiros podem arriscar um passeio ao pé da chapada, onde se pode avistar uma das mais belas paisagens do sertão pernambucano.

As Casas de Farinha

Outras curiosidades localizadas na região.  

 

 EVENTOS

Agosto

- A festa religiosa mais movimentada da cidade é a do Perpétuo Socorro.

- O Ipubifeste também atrai turistas para a cidade.

- A principal atração folclórica do município é o Reisado.